Suportes de mensagem na transmissão de ideias

 

Todos os grande comunicadores têm o seu próprio suporte de mensagem pois estes apoiam e reforçam a mesma. Antes de mais, é essencial compreendermos que existem três suportes de mensagem fortes que podemos considerar.

Para retermos estes componentes começemos então por visualizar como referência um banco de três pernas, representando neste caso elas aquilo que devem os nossos três suportes:

  • História;

  • Estatística;

  • Sound Bytes;

banco 3 pernas

O que acontecerá se nos apoiarmos no banco sem uma das pernas? .. Exatamente o mesmo que aconteceria com a nossa apresentação.

 

 

A primeira perna que suporta o banco são as histórias.

 

boas histórias

A magia das histórias aumenta a curiosidade e faz com que o público se sinta envolvido no nosso discurso.

 

 

Devemos tentar, sempre que possível, incluir um desafio!

O público conecta-se com histórias que envolvam um desafio que foi bem sucedido no final. Tópicos complexos como diferenças de raça, etnia e demografia podem realmente ajudar a fazer passar a mensagem, enquanto que o uso de criatividade na resolução de desafios contribui para um momento totalmente envolvente com o público.

 

 

 

 

A segunda perna que suporta o banco são as estatísticas.

A estatística enquanto suporte permite-nos tratar do próprio discurso enquanto simultaneamente provamos algo.

A famosa teoria de persuasão de Aristóteles define o logos como uma das componentes chave da persuasão e considera-o o argumento da razão. O logos refere-se a estatísticas enquanto fonte de um contexto impactante que provoca uma reação poderosa no público. Aqui a ideia é fazer uso da estatística na comunicação. Contudo, não devemos apenas falar em números aleatórios no discurso. Aqui a chave é tornar os números em algo mais pessoal, enquadrá-los e descrevê-los especificamente de modo a que a audiência os consiga perceber.

 

A terceira e última perna do banco imaginário são os sound bytes.

Falamos de palavras soltas ou frases curtas que expressam a minha mensagem de uma forma particularmente memorável, pois permite-me comunicar com impacto. Há que realçar alguns dos sound bytes mais importantes:

 

  • Palavras Fortes

Destruído, demolido, expulso, extinguido. Muitas são as palavras que pela sua força acrescentam foco na nossa mensagem.

  • Clichés

 Há certos chavões ou frases feitas que, por tantas vezes que foram sendo repetidos, se trivializaram. “A união faz a força; alegria contagiante; bater na mesma tecla; dar o ar de sua graça”. Usar estas frases pode ser uma vantagem já que ficam na cabeça do público e para além de aliviar o discurso ainda contribuem para uma comunicação estratégica da mensagem.

  • Humor

Por vezes há dificuldades em conseguir distanciar um apontamento de humor do tentar ser comediante, no nosso caso é muito importante que o profissionalismo se mantenha, assim sendo aqui aplica-se o seu uso com moderação e bom senso. A utilização deste recurso é muito vantajosa pois o humor ajuda:

  • a prender a atenção do público;
  • a comunicar com impacto;
  • a cativar a audiência,
  • a gerar empatia e despertar o interesse em relação ao conteúdo.

Partilhar algo que me faz rir com a minha audiência pode fazer sentido, ajudando a rompar a barreira da monotonia e impulsionando a minha performance pois serei capaz de transmitir de forma mais atrativa, enfatizando mais a minha mensagem em relação ao que acontece convencionalmente. 

 

Perguntas Retóricas

Quando fazemos uma pergunta retórica o objetivo não é obtermos uma resposta mas sim deixar as pessoas em instrospeção, a refletir sobre isso. A priori o comunicador já sabe a resposta a essa mesma questão. O seu uso vai persuadir, chamar a atenção, podendo ser usada para expressar uma ironia, enfatizar uma ideia ou até questionar um dogma. Isto permite-nos criar uma variedade na entrega da nossa mensagem. 

Referências à cultura pop.

Em suma, são vários os recursos que podemos utilizar para comunicarmos com impacto a nossa mensagem, podemos e devemos fazer uso deles de forma a nos destacarmos enquanto comunicadores.

 

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post comment