Public Speaking

 

Como estruturar um guião para apresentação de uma tese académica?

 

Uma apresentação pública, seja ela em âmbito académico ou profissional, sempre traz consigo a necessidade de um trabalho de preparação. O processo deve ser iniciado com a criação de um guião, que nos permitirá criar a estrutura lógica da nossa apresentação, de forma a ficar tal como pretendemos.

Quando nos queremos especializar numa determinada área científica na universidade, temos o desafio de desenvolver um projeto. Poderá este ser, a nível do mestrado, e consoante a faculdade em questão, constituído por um estágio e relatório, ou um projeto em grupo.

No entanto, existe uma terceira vertente do projeto, que é  fundamental para um desenvolvimento de um investigador científico, e que será absolutamente necessária para a realização de um doutoramento, e também de muitos mestrados: uma tese.

Ou seja, é um projeto de investigação académica exigente, que nos obriga a seguir uma estrutura específica. A tese parte de uma problemática que, através de uma revisão de literatura e de uma metodologia qualitativa e/ou quantitativa, é analisada para que dessa forma, com este trabalho, possamos contribuir para o aumento do conhecimento na área científica estudada.

O trabalho de desenvolver uma tese parte da capacidade de análise de um tópico relevante, no qual se compreende uma limitação, e que permite por isso uma discussão. O nosso objetivo é conseguirmos contribuir – por mais diminuto que seja esse contributo – para um avanço na ciência dessa nossa área de estudo.

Criar uma tese é desafiante, pois exige:

  • Estudo;
  • Dedicação;
  • Resiliência;
  • Capacidade de análise;
  • Criatividade ;
  • Pensamento crítico.

Escrever uma tese é algo bastante trabalhoso, requere um trabalho de pesquisa intensivo e minuncioso de modo a que nada falhe e consigamos acrescentar pontos novos, à investigação já feita anteriormente.

O tema é o principal foco, e este deve ser discutido com os nossos orientadores, de modo a tornar-se em algo consistente, e que acima de tudo responda à pergunta para a qual nos comprometemos a responder.

Normalmente, tratam-se de títulos composto com o tema principal e o aprofundamento de situação especifíca.

  • ‘’A arquitetura paisagística do Séc XX – Análise da obra do seu maior mentor Pessoa X entre os anos de 1900-1940’’
  • ‘’A arquitetura manuelina em Portugal – Como as suas obras representam as conquistas lusitana.s’’
  • ‘’Comunicação empresarial – O papel da comunicação para a liderança em contexto empresarial’’.

 

Ao longo de todo o processo contamos com o apoio dos nossos tutores e orientadores, professores da nossa faculdade com quem nos identificamos e que serão escolhidos por nós para exercer tal função. Estes irão acompanhar cada etapa e certificar-se do nível no qual a tese está, se numa fase inicial ou já desenvolvida. E, como o próprio nome indica, irão orientar-nos ao longo de todo o processo. 

No entanto, mesmo depois de concluída uma tese escrita, é necessário apresentar a mesma diante de um painel de avaliadores.

É aqui que as maiores dúvidas surgem: como reduzir a tese de, eventualmente, centenas de páginas, para um só guião de apresentação?

 

Surge então a necessidade de compreender como devemos estruturar a apresentação de uma tese académica. Uma estruturação prevê que, de forma organizada, saibamos quais os pontos chave da nossa apresentação.

Tal como ao prepararmos uma tese precisamos de começar por pequenas partes soltas e ir unindo de forma lógica e coerente, também na criação de um guião neste âmbito precisamos de fazer o mesmo. Enquanto que no papel não temos limites, ou estes são muito alargados, a apresentação pública tem um tempo específico. Tendo isto em conta, devemo-nos focar nos pontos essenciais e estruturantes da nossa tese, de modo a criarmos um guião rico em informação, que represente logicamente o nosso trabalho escrito.

Alguns tópicos de organização da tese escrita podemos reutilizar na criação do nosso guião para apresentação pública:

  • Esboço;
  • Foco no tema;
  • Estruturação de capítulos/tópicos;
  • Uso palavras chave específicas do nosso tema;
  • Ter sempre referências de textos e imagens que não nos pertençam;
  • Seguir eventuais indicações dos orientadores ou do profissional de comunicação que nos auxilia neste processo.

A partir da nossa pergunta e dos tópicos-chave da nossa tese, conseguimos construir um plano de apresentação que siga a mesma ordem de raciocínio do nosso projeto escrito e que, verdadeiramente, foque nos seus pontos principais.

Em primeiro lugar, tendo em conta a pergunta de investigação base que desenvolvemos para a tese, devemos começar por descrever a mesma. Podemos ainda falar sobre o que nos levou a escolher aquela temática e de como a consideramos importante para determinado assunto. É certo que alguns, ou até todos os membros do painel de avaliadores, vão estar familiarizados com a nossa área de estudo. Mas fomos nós individualmente que formulámos aquela pergunta. Por isso devemos explicar a mesma, mostrando de seguida como os resultados obtidos respondem a essa questão central.

Depois de explicados os resultados que respondem à questão de investigação, devemos elaboramos melhor de que forma contribuímos para a área do conhecimento específica. Logicamente que essa contribuição é limitadora, no sentido em que o nosso estudo incide sobre uma determinada amostra específica.

Nesse sentido, devemos ser humildes e explicar essas mesmas limitações, mas também evidenciar, de acordo com as limitações, aqueles que poderão ser futuros caminhos da investigação, na área em que desenvolvemos o nosso projeto. A esta última componente poderemos chamar de recomendações.

Devemos, nesta parte essencial da nossa avaliação enquanto estudantes, desenvolver mais sobre o caminho que nos levou aos resultados obtidos, e por sua vez, as conclusões derivadas desses mesmos resultados. Serve aqui ter uma noção clara da metodologia adotada, partindo da base de revisão de literatura que apoiou no desenvolvimento, de um método de análise lógico da problemática que nos desafiamos a estudar.

 

A apresentação da tese termina aqui, no entanto é seguida por uma sessão de perguntas e respostas. Num artigo anterior, vimos já algumas estratégias para utilizar nesta fase. Quando falamos especificamente de uma apresentação de uma tese académica, a sessão de perguntas e respostas é chave para a nossa avaliação. A apresentação é aliás uma introdução a uma discussão criada na fase de perguntas e respostas, fase essa na qual estaremos expostos a todo o tipo de perguntas que possam surgir. A forma como atuamos nesta fase é decisiva na nossa nota final, como tal devemos garantir que estamos preparados e com os devidos conhecimentos para enfrentar este momento.

A apresentação pública de uma tese, para além de fazer parte do processo para conclusão de mestrado, tem também um peso muito grande na nota final que vamos obter.

Como já referido, numa apresentação de uma tese académica, estamos a desenvolver uma discussão: não serve apenas responder ao painel de avaliadores, senão estimular um debate de ideias: com a complexidade de uma tese académica e da sua interpretação, não há uma só resposta nem uma resposta definitiva. Daí que o sucesso está no domínio do conhecimento do tema, e na capacidade de assumir, com confiança, o caminho que foi escolhido para responder a uma pergunta central que, desde um ponto inicial, considerámos que valia a pena tentar responder.

 

Ficam assim apresentadas as bases de como estruturar as ideias no desenvolvimento de um guião para uma apresentação de uma tese académica.

 

 

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post comment